builderall



  03/11/2019




 

 

 

 

Em 2019, o Encontro dos Trabalhadores do SUAS do Amazonas: Reunio Descentralizada e Plenria Estadual do FETSUAS-AM realizado, na ltima sexta-feira (1), na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALEAM), debateu os desafios para a classe trabalhadora do Estado diante, principalmente, do neoconservadorismo na poltica nacional. Palavras de engajamento como ?valorizao?, ?representatividade?, ?mobilizao? e ?estratgia? eram frequentemente ouvidas e esclarecidas no contexto da necessidade de um maior posicionamento poltico da categoria.

 

No Auditrio Senador Joo Bosco, da ALEAM, o evento organizado pelo Frum Estadual dos Trabalhadores do Sistema nico de Assistncia Social do Estado (FETSUAS-AM) reuniu profissionais do SUAS, do Ensino Fundamental ao Superior, conselheiros, representantes de entidades, como o Conselho Regional de Servio Social do Amazonas (CRESS 15 Regio/AM), e acadmicos de servio social. E antes da abertura oficial do Encontro, a coordenadora do FETSUAS-AM e assistente social, Letcia Borel, revelou as metas traadas pela instituio.

 

?O objetivo do evento fortalecermos o segmento dos trabalhadores contra essa poltica (do Governo Federal). Estamos montando estratgias de resistncia e o debate (no Encontro dos Trabalhadores do SUAS) ser sobre como iremos nos mobilizar e de que forma resistiremos no territrio em que estamos?, disse Letcia, em referncia realidade tanto dos/as profissionais da capital do Estado, Manaus, quanto do interior.

 


 

 

A coordenadora do FETSUAS-AM tambm analisou os motivos que podem levar a inrcia na luta pelos direitos sociais e trabalhistas no Pas. ?Percebemos uma fragilidade dos trabalhadores devido prpria forma de contratao deles. A maioria so trabalhadores no concursados, por exemplo, e essa fragilidade do vnculo (empregatcio) faz muitas vezes o trabalhador no se posicionar frente da situao (do desmantelamento dos direitos)?, afirmou.

 

E depois do pedido de apoio de profissionais de servio social do municpio de Anam (a 165 quilmetros a oeste de Manaus), que foram aprovados em concurso pblico da Secretaria de Estado de Educao (Seduc-AM) e no foram convocados ainda pelo Governo do Amazonas, Letcia Borel lembrou que a realizao de concursos pblicos uma das bandeiras de luta do FETSUAS. ?Desde 2012, no temos concurso em Manaus e vemos como nossas unidades, como CRAS e CREAS, esto fragilizadas porque quem compe nossas unidades so os trabalhadores?, denunciou a coordenadora.

 

E na Mesa de Abertura do Encontro foram ouvidos depoimentos sobre os problemas cotidianos enfrentados pelos trabalhadores e usurios do SUAS, inclusive de infraestrutura, e reflexes sobre os possveis direcionamentos a serem tomados pela classe. Tudo isso exposto por dirigentes e representantes do Sindicato de Assistentes Sociais do Estado do Amazonas (Saseam), do Conselho Estadual de Assistncia Social (CEAS), do Frum Municipal dos Trabalhadores do SUAS (FMTSUAS-Manaus), do Frum Estadual dos Usurios do SUAS (FEUSUAS-AM), do Conselho Municipal de Assistncia Social (CMAS), do Conselho Regional de Psicologia (CRP 20 Regio) e do Abrigo Infantil Monte Salm, no bairro Tarum, zona oeste de Manaus.

 


 

 

Raio-X dos Problemas

 

E o risco de paralisao dos servios do Abrigo Monte Salm por falta de recursos financeiros preocupa a assistente social que trabalha na instituio filantrpica, Maria Izabel. ?H uma quebra e ficamos com dificuldades de pagar nossos funcionrios. Sabemos que os trabalhos de acolhimento e abordagem de pessoas (crianas e adolescentes) em situao de rua so contnuos e no podemos parar. Precisamos de parceiros junto com o Governo do Estado?, explicou a assistente, que pediu que o FETSUAS-AM ajudasse na valorizao dos trabalhadores do abrigo.

 

Para a assistente social e presidente do CMAS, Jaqueline Ferreira, a classe trabalhadora precisa lutar por mais representatividade e se interessar em assumir as gestes das instituies de assistncia. ?Ns como trabalhadores do SUAS, como assistentes sociais e como quem faz a ?mquina? andar e as instituies funcionarem, precisamos reconhecer e entender os espaos que existem do controle social. O CMAS um desses espaos e precisamos nos apossar dele. Teremos, em novembro, eleies para os conselhos municipal (CMAS) e estadual (CEAS) com poucos trabalhadores concorrendo (ao pleito)?, revelou Jaqueline. ?No podemos deixar outras pessoas brigaram as nossas lutas?, alertou.

 

Em sua apresentao, o coordenador do FEUSUAS-AM, Dibson Flores, explicou que a descontinuidade dos projetos e aes eficazes das equipes devido a mudana sazonal dos gestores cria um retrocesso nos servios prestados. A falta de qualificao continuada e permanente dos trabalhadores foi outro problema apontado.

 

?A minha bandeira (de luta) no somente os usurios, mas os trabalhadores. A desvalorizao e rotatividade (de profissionais) atinge os usurios l na ponta. Porque se passa quatro anos com um gestor que, ento, monta uma equipe que est fazendo um excelente trabalho e criando vnculos com a sociedade e seu pblico para depois ter todo esse trabalho destrudo quando assume um novo gestor (e que no entende a Polcia Nacional de Assistncia Social-PNAS)?, disse Dibson.

 

Orientaes

 

O presidente do CEAS, Francisco Baiman, procurou instigar o pblico do Encontro dos Trabalhadores do SUAS do Amazonas para se posicionar estrategicamente na defesa das pautas e reinvindicaes dos trabalhadores do sistema. ?Estratgia tudo. As empresas, as instituies e rgos governamentais se utilizam de estratgia para nortear tudo que buscaro no futuro. Por isso, se vocs estabelecerem as estratgias para o que esto debatendo (no Encontro), iro fatalmente atingir os objetivos?, comentou.

 

Em acordo ao discurso de Baiman, a presidente do Saseam, Ana Paula Cruz, tambm reforou que so necessrias estratgias para a mobilizao dos trabalhadores do SUAS e para ocupao dos espaos democrticos da categoria. ?Precisamos movimentar essa poltica pblica que ameaa no apenas a assistncia, como a sade e a educao?, disse. ?A assistncia tudo, inclusive, movimenta a economia de um municpio. Sem essa assistncia, o municpio para. Pensem nisso! A poltica no pode ser de assistencialismo, precisamos acabar com isso. A assistncia uma poltica de direitos e no podemos mais deixar nenhum direito ser retaliado ou no reconhecido?, completou Ana Paula.

 

Representante do Conselho Regional de Psicologia, a conselheira-secretria do CRP 20 Regio Larissa Gabriela Lins Neves relembrou das articulaes com o Conselho Regional de Servio Social do Amazonas (CRESS 15 Regio/AM) para derrubar o veto presidencial ao PL Educao. O projeto de lei (PL) 3688/2000 dispe sobre a insero das categorias profissionais de Servio Social e Psicologia nas escolas pblicas de educao bsica.

 

?Ns temos psiclogos trabalhando na assistncia social e junto com isso atendendo a sociedade na garantia de direitos. Ento, estamos nos mobilizando para a derrubada do veto, mas tem tambm a questo da sade mental do psiclogo, que um cuidador em vrios mbitos, e como poder fornecer um bom servio se estiver bem (mentalmente)?, afirmou Larissa.

 

J a assistente social e representante do FMTSUAS-Manaus, Elane Pires, destacou a relevncia de organizar eventos direcionados para os debates e reflexes da categoria, como o Encontro dos Trabalhadores do SUAS do Estado. ?Esses so momentos que esto deixando de existir e fragilizando a nossa categoria e segmento. Tambm importante para comearmos a refletir e se perguntar: O que ns queremos? O que ns somos? Como nos vemos hoje nessa dcada e o que devemos fazer para fortalecer essa Poltica (Nacional de Assistncia Social)??, indagou Elane, que clamou pela unio e participao coletiva dos trabalhadores. ?No podemos perder a essncia de luta?, declarou.

 

 


 

Palestra sobre Resistncia

 

No painel do Encontro dos Trabalhadores do SUAS do Amazonas, os palestrantes Simone Lisboa, que coordenadora do curso de Servio Social da Esbam, e Luiz Fernando Santos, professor do curso de Sociologia da Ufam, apresentaram o tema ?Tempo de Resistncia: nosso trabalho com direitos direito social para todos!?. ?Hoje vivemos um movimento de desmonte do Estado e de direitos?, abriu sua exposio Simone.

 

A palestrante defendeu a identificao e mobilizao de todos os trabalhadores do SUAS nas lutas pela preservao dos direitos sociais historicamente conquistados desde a promulgao da Constituio Brasileira de 1988. Para a coordenadora da Esbam, a categoria deve evitar restringir ? por cargos, formao acadmica e nvel de escolaridade ? a participao dos profissionais da assistncia nos espaos de articulao e resistncia.

 

?A efetivao das polticas intersetoriais depende do fortalecimento da poltica pblica, mas especialmente dos trabalhadores. Porque se os trabalhadores estiverem fragilizados, adoecidos ou esvaziados, o usurio no ser atendido na necessidade dele. uma relao interdependente. Quem nos legitima o nosso pblico usurio e precisamos nos aproximar mais dos usurios?, fez o apelo Simone Lisboa, que tambm coordena os Centros Estaduais de Convivncia da Famlia (CECFs) e de Convivncia do Idoso (CECI).

 

 

J o professor universitrio de Sociologia da Ufam, Luiz Fernando, fez uma anlise profunda sobre a evoluo do trabalho no mundo desde os primrdios da humanidade e a crise estrutural do capitalismo que afeta as relaes na maioria das vezes conflituosa do empregador e empregado e que eleva exponencialmente as taxas de desemprego.

 

?E qual seria a soluo? Neste contexto preciso reconstruir a conscincia como classe trabalhadora, que vai alm da minha categoria, do meu espao de trabalho, daqueles que tm titulao de nvel Superior, Mdio ou primrio e que tambm vai alm dos espaos circunscritos da minha esfera. Mas isso possvel? Vamos olhar para Porto Rico, Haiti, Equador, Bolvia, Argentina e Chile. A Amrica Latina est dizendo: s h uma sada para no mergulharmos na barbrie que a resistncia efetiva e concreta nas ruas?, finalizou Luiz.

 

E na sequncia da programao do Encontro dos Trabalhadores do SUAS do Amazonas, no perodo da tarde, foram realizadas as oficinas temticas sobre: 1.Identidade do/a trabalhador/a do SUAS na perspectiva dos/as usurios/as: Desafios dos/as trabalhadores/as no combate ao conservadorismo e ao clientelismo (CRESS/AM e CRP); 2.Representao e representatividade nos Conselhos de Assistncia: Estratgias para garantia da paridade e proporcionalidade (CEAS e CMAS); e 3.Entidades no governamentais e o SUAS (DEPG). Mas antes do encerramento do evento, ocorreu ainda a Plenria Estadual do FETSUAS-AM.

 

 

 

 

Conselho Regional de Servio Social do Amazonas (CRESS 15 Regio/AM)

Gesto Nada a Temer, Lutar Preciso! ? 2017/2020

Comisso de Comunicao

Diogo Rocha

Assessoria de Comunicao

comunicacao@cress-am.org.br